O perigo nos Estados Unidos

O perigo nos Estados Unidos

Sabe aquele medo de ter o carro roubado, ser assaltado a mão armada na frente de casa ou ser sequestrado? Aqui eu não tenho. Em compensação… as histórias de atiradores loucos por aí em escolas, aeroportos, shoppings e restaurantes são de tirar o sono! O medo de uma doença muito séria e não ter dinheiro suficiente para pagar o tratamento e sobreviver; o medo de o telefone tocar de madrugada com notícias tristes de familiares no Brasil; o pânico dos ataques terroristas e o medo da fúria da natureza com os tornados e furacões. São medos e perigos corriqueiros completamente diferente dos que existem no Brasil, mas mesmo assim muito reais e assustadores. Tanto que quando alguns desses fatos acontecem viram notícia no mundo inteiro.

Um dos conselhos que recebi ao chegar no Texas foi em relação ao trânsito. Ser “pianinho”e não arranjar encrenca com os carros ao redor, mesmo que você esteja certa, porque não sabemos se o camarada possui uma arma na cintura e qualquer situação que o tire do sério vira risco de vida. Para você.  A facilidade para o porte de arma tem suas consequências (outro tema de post!). Dá uma olhada nesse gráfico do jornal Los Angeles Times:

Deadliest shooting rampages

Fonte: http://timelines.latimes.com/deadliest-shooting-rampages/

Já os medos de doença e da natureza são, relativamente, administráveis. Como somos expatriados temos um respaldo da empresa com plano de saúde, mesmo assim a co-participação e mensalidades são muito caras, por isso, a medicina preventiva é essencial para quem vive aqui. A piadinha entre os brasileiros é que se acontecer algo muito sério existe o plano Tam. Pega o primeiro avião e corre fazer o tratamento no Brasil.

O kit de sobrevivência com o manual sobre como agir nas temporadas de furacão também ajuda. Entre junho e novembro é recomendado, por exemplo, ter comida enlatada, água e itens de higiene em estoque. Um amigo americano nos contou que quando o furacão Ike passou por Houston, em 2008, eles ficaram cinco dias sem água e luz e tiveram que usar, em comunidade, o fogão do salão de festas (o único a gás). Isso tudo na região central da cidade. Ele e a família eram um dos únicos moradores do condomínio que tinham enlatados e comida “fresca” na geladeira e precisavam cozinhá-la para não estragar. Os vizinhos iam para o salão e em troca de comida davam vinho, única coisa que os jovens casais e solteiros tinham em casa. E mais, perder a casa e o carro por enchentes também se vê por aqui. A Cruz Vermelha tem uma guia que você pode acessar aqui.

Nos últimos seis meses meu irmão teve dois carros roubados em Curitiba. Dificilmente esse tipo de roubo vai acontecer nos Estados Unidos, porém, alguém entrar na sua casa vazia e roubar seus pertences é relativamente comum. Sempre que há roubo dentro de casas ou carro que ficam em condomínio fechado a administração é obrigada a reportar o acontecido para os moradores e conto que em quase cinco anos vivendo aqui já li esse comunicado, pelo menos, umas oito vezes.

Carta de aviso sobre roubo

Carta sobre aviso de roubo

Por isso, quando você ouvir: – Ah, mas em país de primeiro mundo essas coisas não acontecem! Não caia na besteira de generalizar! Essas “coisas” não acontecem, mas outras tão ruim quanto sim.

 

 

 

 

Hora de voltar

A ausência dos últimos meses neste espaço teve seus motivos! Fomos repatriados e agora a vida segue no Brasil. Apesar da mudança de cep a minha lista sobre o assunto “mãe nos Estados Unidos” ainda é grande e as histórias de readaptação também, por isso, vou continuar compartilhando essa vivência aqui no Maternidade Hoje, por mais um tempo. Se você também tiver histórias legais sobre esse ou qualquer outro tema e quiser contar, o espaço é seu também, escreva para nós:

ContatoPolli

Brinquedos nos Estados Unidos – Muito além da loja da Disney

Para quem já teve a oportunidade de visitar lojas nos Estados Unidos sabe que as de brinquedos também são uma perdição! Confesso que, muitos dos brinquedos aqui em casa foram comprados porque eu vi e gostei. Nesse texto compartilho brinquedos e lojas um pouco diferentes, afinal Toys”r”us, Target e Walmart muita gente já conhece. Gosto de brinquedos educativos, de antigamente, de madeira, instrumentos musicais e etc. Agora, entramos numa fase em que ele tem suas preferências e muitas vezes só o McQueen ou os carros (polícia, bombeiro, ambulância, escavadeira, trator) da marca Tonka divertem, mas os brinquedos da marca Melissa & Doug ainda fazem muito sucesso, principalmente quando eu sento para brincar junto. São quebra-cabeças, brinquedos de montar em tamanho grande e de fácil manuseio para crianças menores!

Child-at-Play-with-Puzzle.png Melissa

No Brasil, ainda não conheço nada parecido no que se refere ao quebra-cabeças do M&D, mas pelo Elo 7 encontrei alguns artesãos e profissionais com trabalhos similares como carrinhos e peças de montar, além da marca KitoPeq. É só digitar brinquedos de madeira na busca do Elo7.

Kitopeq

MAIS: 8 brincadeiras super divertidas para o fim de semana com chuva

A Lakeshore também é uma loja de brinquedos educativos para crianças de todas as idades que professores americanos adoram e que também ganhou meu coração. Foi nessa rede que eu encontrei a tal da areia sensorial que não faz bagunça! (Na hora pensei, americano não perde tempo mesmo, vende até areia.) A areia é úmida e tem algum produto que não deixa esfarelar e espalhar muito.

kinect sand

A Gymboree famosa pela loja de roupas possui um braço educativo com aulas em que mães e pais brincam juntos. A lista de brinquedos à venda é pequena, mas interessante. Essa bola é perfeita para aquela idade em que os bebês levam tudo à boca.

bolas gymbo

Se você tiver alguma dica bacana de brinquedos educativos seja no Brasil ou Estados Unidos, escreva para nós: Informação boa a gente compartilha.

ContatoPolli

Dica: Para as leitoras do blog que gostariam de ter acesso a esse mundo de consumo americano (muitas vezes não disponível em lojas físicas brasileiras), existem profissionais que realizam recepção e reenvio de compras dos EUA para o Brasil. Funciona assim: você realiza a compra nos sites americanos com o seu cartão de crédito internacional e envia para o endereço desse profissional nos Estados Unidos. Depois,essa pessoa reenvia para o endereço brasileiro a compra. A Manu é uma brasileira que faz esse serviço, para detalhes escreve para ela no manupersonalshopper@hotmail.com .

Serviço:

www.elo7.com.br/ruaraimundomacedo – esse artesão baseado em Minas faz carrinhos, peões e demais brinquedos de madeira lindos e por um preço acessível.

www.kitopeq.com.br – pontos de venda em lojas físicas de diversas cidades brasileiras e pelo site.

www.melissaanddoug.com  se der sorte em lojas como Ross, Marshalls e TJ Max pode encontrar os mesmos itens vendidos online por preços mais camaradas.

http://www.lakeshorelearning.com  também vende pela internet e possui outlets em algumas cidades dos EUA.

http://www.gymboree.com/shop/boys-play-music  bolas de sabão, bolas sensoriais, cds e mini instrumentos musicais são as opções da Gymboree.

Vale lembrar, qualquer brinquedo será muito mais legal se sentarmos e curtirmos a brincadeira ao lado do filhote!

Madame Morena

Pense em duas mulheres lindas e super alto astral! Além de mães e empreendedoras as proprietárias da Madame Morena são gêmeas! Passei uma tarde com a Francine conversando sobre a vida e sobre como decidiram empreender.

Francine e Francesnei são formadas em Publicidade e Propaganda, trabalharam um tempo na área para grandes empresas nacionais e multinacionais. O ritmo insano de trabalho na empresa dos “outros”, principalmente durante a gravidez da Francine, fez rever conceitos e não quiseram mais ser tão intensas em algo que não tinham reconhecimento e no final as deixava frustradas. Movidas a desafio, sentiram que precisavam de mais e por serem apaixonadas por tendêndias e moda investiram nisso.

A empreitada inicial foi a criação, em 2007, da loja de acessórios Madame Morena. Elas alugaram uma sala comercial no andar térreo de um prédio de escritórios que abriga os principais médicos, advogados e demais profissionais liberais de Curitiba. Segundo a Francine, ter começado nesse ambiente de galeria foi essencial para que elas pudessem se testar com liberdade e se conhecer como donas, pois precisavam pesquisar, vender, comprar, administrar tudo e fazer contatos.

O ritmo de empreededoras faz bem para a família das meninas, que fica em primeiro lugar sempre. A loja Madame Morena tinha um espaço para que as crianças, ainda bebês, pudessem ficar no trabalho com as mães. Mãe empreendedora não tem licença maternidade!Fran conta que quando não tinha funcionário já fechou a loja em uma tarde de horário comercial para assistir a apresentação de escola da filha; “também já fechei para poder acompanhar desfile internacional e também para férias coletivas. Posso levar e buscar da escola, cuido do que comem e organizo a rotina da casa.”

Mademe Morena

Imagem: Divulgação

MAIS: A história de Rosie Pope -Grávida de Salto

Em 2015 outras oportunidades apareceram e depois de muito trabalho e autoconhecimento as gêmeas inauguraram uma loja de roupas,a Sunset Outlet. Agora, a marca Madame Morena divide o espaço com marcas como Reserva, Farm, Desigual, Rosa Chá, Levis e Cavalera em três endereços de Curitiba, empregando cerca de 10 pessoas.

A vida de administradora também tem percalços, dias antes da inauguração do primeiro Outlet, a loja foi assaltada e elas perderam todo o estoque de roupas para meses de venda. Um prejuízo e tanto, antes mesmo de começar, que o seguro não cobriu totalmente. As meninas sentiram na pele o que já liam muito nos jornais: “O Brasil não é a favor das micro empresas! Para quem faz o processo da maneira certa e paga todos os impostos é pesado”. E quando pergunto sobre a crise, violência, dólar alto ela rebate e revela: “Eu sei que a situação não está fácil, mas não posso me deixar levar com essas notícias e negatividade, precisamos Fazer e Acontecer nos momentos econômicos ruins e bons.O dólar alto fica inviável importar algumas marcas, mas sempre encontramos outra alternativa.”

“Ser empresário cansa, mas é um cansaço que estimula, revigora. Se naquele dia o caixa não fechou, eu preciso de ideias e estratégias para vender o dobro no dia seguinte. Trabalhamos muito mais, sabendo que o retorno do que fizermos será por nossa conta e risco. Isso também inspira e muito”.

Mais sobre a loja Sunset Outlet no https://www.facebook.com/sunsetoutletpr/

Gostou desse exemplo? Também é uma mãe empreededora? Escreve para nós, vamos adorar ter sua história por aqui.

Vale Night

Sorte daquele que tem com quem deixar o filho para um encontro romântico na sexta, sábado, segunda, qualquer dia! Esse é um dos costumes bem americanos que já entrou no meu livrinho de atividades, a se fazer, mas espera só as avós estarem a quilômetros dirigíveis de distância! Existem certos eventos e restaurantes que não comportam/querem/proibem criança a tira colo. Na minha concepção pré-maternidade isso não existia, aonde vai um, vai todo mundo. Hoje, bem sei que pela sanidade dos pais não é bem assim e mordi a língua.

A date with a view

Imagem: Erin Nekervis

Esses encontros são um respiro e tanto para a vida do casal. O vale night aqui em casa também funciona uma vez ao mês para que meu esposo e eu possamos sair sozinhos com nossos amigos. Enquanto um sai o outro fica em casa com a criança, dá banho, jantar, brinca, escova o dente e coloca para dormir. Papai tem alforria para ir jogar pocker ou assistir algum esporte, e eu junto as amigas e fazemos uma Sessão Terapia em restaurante ou na casa de alguém. É super divertido, dá para comer tranquilo, e faz um bem danado, afinal, depois da maternidade pensamos muito nas crianças e pouco em nós mesmas!

E você, adota o vale night com a sua família?

Casal com filhos

Imagem: Patrick Hui