Mercado de trabalho,voltei!

 MERCADO DE TRABALHO VOLTEI

Muitas mulheres ao se tornarem mães optam a se dedicar apenas a maternidade, pelos dias estressantes de trabalho sem rotina e sem previsão de término, porque não conseguiram se dedicar o suficiente ao primeiro filho ou para “mergulhar” no seu maior sonho.

Independente do motivo é uma tarefa difícil entender qual a melhor opção, e não existe uma decisão correta e tampouco uma errada, o que ocorre é que cada uma de nós escolhe a que se adapta melhor aos nossos planos.

E então os filhos crescem, a profissional consegue estabelecer uma rotina e eles ficam mais independentes para realizar as tarefas cotidianas.

Surge então a necessidade de retomar sua carreira, neste momento muitas mães ficam preocupadas de que este tempo distante do mercado prejudique o retorno.

Quando definir se dedicar aos filhos, pense se pretende um dia retornar ao mercado de trabalho­, pois no decorrer de seu afastamento será necessário você tomar algumas atitudes para que seu retorno seja mais tranquilo:

Volta ao mercado de trabalho após maternidade

  1. Organize-se com calma– defina a rotina dos seus filhos e a sua e quem dará apoio a eles em sua ausência para que fique claro nas entrevistas que você está pronta para retornar ao mercado;
  2. Conhecimentos atualizados– realize cursos, workshops e palestras, para manter seus conhecimentos adequados às exigências do mercado de trabalho e contato com profissionais da área;
  3. Networking atualizado– mantenha contato com antigos colegas de trabalho e com pessoas que possam auxilia-la no retorno (amigos, parentes, conhecidos);

Algumas mães optam por mudar de área para que consigam ter uma rotina mais tranquila, com horários flexíveis e/ou definidos, caso este seja seu caso:

  1. Se prepare como no início da carreira- defina uma nova área de atuação e busque informações sobre ela, estude o mercado e faça cursos voltados ao novo setor;
  2. Atuar como Free Lancer- boa opção para que você tenha flexibilidade de horário e maior tempo com seus filhos;
  3. Abrir seu negócio– defina a modalidade, investimento, estude o mercado, faça um bom plano de negócios e de custos que envolverão sua empresa.

Caso você não defina inicialmente se retornará ou não ao mercado é sempre bom manter seu networking ativo e contato com seus ex-colegas de trabalho e buscar cursos e palestras afinal, conhecimento nunca é demais!

Tenha foco e paciência, pois mesmo que demore um pouco seu retorno será um sucesso!

Leia também:

Já pensou em estudar durante sua licença maternidade?

Escolinha/creche, babá ou vovó? Prós e contras

Madame Morena

E agora cegonha, preciso trabalhar!

Por Vanessa Mello, Diretora da Novarum Consultoria em Recursos Humanos

Cada vez mais encontramos mulheres engravidando na faixa dos 30-35 anos, e isso está acontecendo, uma vez que a mulher vem buscando insistentemente conquistar uma carreira sólida e se especializar em sua área de atuação, para depois pensar em formar e ou até aumentar sua família.

Mesmo com um planejamento familiar, onde é definido o momento certo para se tornar mãe, ainda há receios quanto a sua carreira.

Hoje em dia os profissionais têm uma carga maior de responsabilidades dentro da sua área e muitas vezes pegam para si funções que não são dele. Por este motivo, muitas mulheres ficam extremamente inseguras e completamente divididas entre engravidar e trabalhar.

mae-trabalhando-e-agora-cegonha-preciso-trabalhar

Se o seu sonho é de ser mãe neste momento, não desista! Se o seu bebê já está a caminho, não se arrependa pela sua escolha em nenhum momento!

Antes de mais nada, é importante entender que “gravidez não é doença”, e cabe somente a você mostrar isso à sua equipe, gestor enfim, a empresa onde atua, mantendo o mesmo desempenho que tinha antes de engravidar ou até superando expectativas.

Sei que junto com a gestação vêm o mal estar, a perda de mobilidade, inchaços, desconfortos, ufa…. , uma série de sintomas que não estamos acostumadas, mas precisamos nos adaptar para que o nosso profissionalismo não seja comprometido.

trabalho-e-gravidez-e-agora-cegonha-preciso-trabalhar

Algumas dicas são importantes para que este momento seja enfrentado com o mínimo possível de estresse, pois ele deve ser único e muito feliz.

– Alteração de humor ou mal-estar: são sintomas normais e você deve sinalizar com descontração para que seus colegas de trabalho e superiores entendam o que está acontecendo;

– Respire fundo: as pessoas não estão grávidas e muitos nem sabem “como isso funciona”, entenda que eles estão ao seu lado para apoia-la e não para prejudica-la;

– Consultas e exames: tente agenda-los aos finais de semana ou fora do seu horário de expediente, mas se isso não for possível e precisar se ausentar da empresa, avise com bastante antecedência;

– Contato de emergência: deixe alguém de sua família com os contatos da empresa onde trabalha e vice-versa, pois caso passe mal ou precise se ausentar, será mais fácil a comunicação;

– Dedicação: Demonstre o quanto esse trabalho é importante para você e que fará falta no período que estiver ausente.

– Pós licença maternidade: muitos gestores acreditam que as profissionais vão optar por ficar com seus filhos após a gestação. Se este não é seu desejo, mostre que esta não é sua intenção e que tem interesse em voltar a trabalhar sim. Não fique angustiada a gravidez toda;

Se chegou o momento, não deixe de viver seu sonho de ser mãe, apenas tome os cuidados necessários para que você consiga conciliar com excelência a maternidade x carreira, pois assim seu retorno ao trabalho será feito da maneira mais tranquila.

Caso não seja possível o seu retorno, pense em um plano B até que possa deixar o seu filho com alguém ou na escola para voltar ao mercado de trabalho.

Lembre-se: em outros momentos você já buscou novos desafio e esta não será a primeira vez, confie no seu potencial e no seu profissionalismo sempre!

Aproveite intensamente cada momento, pois cada fase de seu filho será única! Busque equilíbrio entre a maternidade e sua carreira que esta nova fase de sua vida será um sucesso!

licenca-maternidade-e-agora-cegonha-preciso-trabalhar


vanessa-mello-novarum-consultoria-em-recursos-humanos

Vanessa Mello é formada em Psicologia e com Especialização em Modelo de Gestão e Clima Organizacional, Diretora da Novarum Consultoria em Recursos Humanos e mãe do Kaique.

www.novarumconsultoria.com.br

CEO do Yahoo anuncia que terá apenas 2 semanas de licença maternidade – após dar à luz a gêmeas!

Marissa Mayer, CEO do Yahoo, anunciou essa semana que planeja voltar a trabalhar duas semanas após dar à luz a gêmeas em dezembro – e mais, diz que trabalhará em casa durante esse tempo. Marissa já é mãe de um menino de 3 anos. O anúncio gerou as mais diversas reações: será que isso é um bom exemplo para outras mães que trabalham? Qual é o limite razoável para balancear trabalho e vida pessoal?

Licença maternidade

Imagem: Ethan Miller/Getty Images/Guardian

A licença maternidade nos Estados Unidos é de apenas 12 semanas, não remunerada. Estima-se que 13% dos trabalhadores têm acesso a licença maternidade/paternidade remunerada, como benefício concedido pelas empresas em que trabalham (os demais têm somente o direito de tirar a licença e ter seu emprego protegido nesse período, sem pagamento).

MAIS: Escolinha/creche, babá ou vovó? Prós e contras

Mas condições trabalhistas mais favoráveis como as nossas no Brasil não significam necessariamente que as mães serão de fato respeitadas e acolhidas. Recentemente, ouvi de uma colega de trabalho, em posição de gestão, que ela tem problemas em contratar outras mulheres “porque depois elas saem em licença maternidade e me deixam na mão”. Sim, essa mentalidade ainda existe – e no caso, a frase de impacto saiu da boca de uma mulher! Vale lembrar: homens também podem te deixar na mão, pois ficam doentes, mudam de emprego, etc, etc, etc.

Por isso, independentemente de qualquer coisa, ver uma mulher, mãe, no comando de uma gigante de tecnologia (ramo ainda dominado por homens) é para mim um sinal notável de progresso e deve ser comemorado. Por outro lado, a decisão de Marissa também mostra que muitas vezes há um preço a pagar, há muito pouco tempo para a família ou até mesmo para a saúde pessoal.

Esse preço é alto? Não sei, cada mãe/profissional fará suas decisões. Mas vale ressaltar: Marissa também alterou a política de licenças do Yahoo durante sua gestão. 8 semanas para pais, 8 semanas para pais e mães adotivos e 16 semanas para mães, todas remuneradas. Ou seja, ao mesmo tempo em que Marissa faz seu anúncio polêmico, ela parece valorizar a importância da presença de mães e pais no início da vida de seus filhos.

Fonte: Today, Fortune, Guardian

Já pensou em estudar durante sua licença maternidade?

Tornar-se mãe é um momento mágico e cheio de alegrias, ao mesmo tempo pode ser bastante solitário e difícil. Licença maternidade não são férias! Esse é um período de muito trabalho e entrega. Essa dedicação ao(s) filho(s) pequeno(s) é uma atitude nobre e de amor da mãe, mas não é necessário abandonar a si mesma e seus projetos pessoais, pelo contrário!

O conselho mais comum dado para as mulheres que vivem essa fase é reservar um tempo para si, como cuidar do cabelo e das unhas, encontrar com as amigas ou sair com o marido. Tudo isso é ótimo! E aqui vai minha dica: já pensou em aproveitar para estudar?

Mães que estudam

Associar desenvolvimento profissional e a jornada de mãe é uma alternativa para melhorar a autoestima, encontrar pessoas (mesmo que virtualmente), desenvolver-se e se preparar para voltar ao mercado. A alta disponibilidade de cursos online, combinada com a flexibilidade de horários e não exigência de afastar-se de casa fazem dessa modalidade de estudo a alternativa perfeita para as mães que estão em licença maternidade ou aquelas que decidem dar uma pausa na carreira enquanto seus filhos estiverem pequenos.

MAIS: Escolinha/creche, babá ou vovó? Prós e contras

Onde estudar? Algumas sugestões:

  • A revista Você SA (mar/15) trás sugestão de 20 cursos online gratuitos ou custando até 99 dólares. Há temas como inglês para negociações, administração de tempo e marketing para empreendedores, entre outros. Os professores? Grandes nomes como Marissa Mayers, CEO do Yahoo e o filósofo Mario Sérgio Cortella.
  • O Guia do Estudante sugere cursos online gratuitos promovidos pelas maiores universidades do país, sem necessidade de vestibular.
  • A Escola Virtual da Fundação Bradesco oferece cerca de 80 cursos gratuitos, online e semi-presenciais, em áreas como Administração, Gestão e Informática.

Minha experiência pessoal é de que vale a pena o esforço. Na minha primeira licença maternidade, escrevi grande parte de minha dissertação de mestrado. Na segunda, fiz um curso na FGV-Online. Meu veredito?  Não é fácil combinar cuidados de um recém-nascido e um curso, mas é possível e recompensador. Eu tive ajuda preciosa nos dois casos, é verdade. Se puder contar com alguém nesse projeto, aproveite a oportunidade.

Minha mesa de trabalho durante o Mestrado

Minha mesa de trabalho durante o Mestrado

Muita gente me pergunta sobre a experiência de estudar na FGV-Online. Eu gostei, tanto que fiz dois cursos lá. Mas esperava bem mais da plataforma. O curso não permite interação com professor e outros alunos em vídeo ou voz, apenas chat. Mas o conteúdo e a grife da universidade compensam.

Algumas dicas para manter o foco durante o estudo:

  • Se possível reserve um horário específico para estudar. Se puder, combine dias e horários com babá, marido, avós ou quem possa colaborar ficando com as crianças no período em que você for se dedicar aos estudos. Os horários de sono dos menorzinhos também podem ser aproveitados.
  • Feche sites e outros aplicativos. Resista a tentação de dar uma espiadinha rápida no Facebook ou WhatsUpp. Concentre-se para manter o foco!
  • Saiba que o estudo virtual requer dedicação, tanto quanto um curso tradicional.

Acredite e invista em você mesma! Manter a autoestima elevada é importante para você como mãe e também para seus filhos, você é o maior exemplo para eles! Ao ter pensamentos e atitudes mais positivas, você certamente se sentirá melhor e influenciará a harmonia de sua casa e família. Pense nisso!