Carta para um anjo

Por Rubia Tosta


Aborto

Hoje o dia amanheceu assim.. nublado, como nessa foto.

Talvez eu nunca esteja preparada para falar sobre isso, mas acho que desabafar vai me fazer bem, vai me ajudar a superar (ou não).

Hoje o dia amanheceu mais triste, mais lento, mais frio. Nosso tão sonhado filhote nos deixou…Ele viu que o mundo anda muito louco, e achou melhor não vir agora.

Mas nesse 1 mês de existência, ele me ensinou tanto.. me ensinou mais do que a vida até aqui. Eu finalmente entendi, o que é a tal conexão entre mãe e filho. É muito forte, muito intensa, muito verdadeira e muito dura também.. pq é difícil vc sentir que algo está errado e simplesmente não poder fazer nada! Pq eu senti quando ele me deixou.. o meu corpo me avisou e o meu coração também.

Acredito que tudo na vida tem um por que, e que cada um de nós tem um propósito na vida, e o seu meu filho, foi de UNIÃO. Você trouxe pra mais perto de mim pessoas muito especiais, você fortaleceu ainda mais a relação que tenho com o seu pai, você me ensinou o que é amar alguém que a gente nem conhece, tão pequeno, tão sensível.. eu nem ouvi o seu coraçãozinho bater, mas o meu acelerava toda a hora que eu pensava em você.

Você me deu um susto quando apareceu e um ainda maior quando foi embora. Eu rezei tanto, pedi tanto por você.. Prefiro acreditar que Deus ama tanto você, que resolveu te levar pra perto dele.

Quero que saiba, que você foi muito amado e muito desejado.

Você será pra sempre o nosso anjinho.

Hoje o meu coração amanheceu assim, nublado e florido. Nublado por que ele está sofrendo, e florido por que de alguma maneira ele tem esperança, por que eu não sei como, ele tem fé.

Vale Night

Sorte daquele que tem com quem deixar o filho para um encontro romântico na sexta, sábado, segunda, qualquer dia! Esse é um dos costumes bem americanos que já entrou no meu livrinho de atividades, a se fazer, mas espera só as avós estarem a quilômetros dirigíveis de distância! Existem certos eventos e restaurantes que não comportam/querem/proibem criança a tira colo. Na minha concepção pré-maternidade isso não existia, aonde vai um, vai todo mundo. Hoje, bem sei que pela sanidade dos pais não é bem assim e mordi a língua.

A date with a view

Imagem: Erin Nekervis

Esses encontros são um respiro e tanto para a vida do casal. O vale night aqui em casa também funciona uma vez ao mês para que meu esposo e eu possamos sair sozinhos com nossos amigos. Enquanto um sai o outro fica em casa com a criança, dá banho, jantar, brinca, escova o dente e coloca para dormir. Papai tem alforria para ir jogar pocker ou assistir algum esporte, e eu junto as amigas e fazemos uma Sessão Terapia em restaurante ou na casa de alguém. É super divertido, dá para comer tranquilo, e faz um bem danado, afinal, depois da maternidade pensamos muito nas crianças e pouco em nós mesmas!

E você, adota o vale night com a sua família?

Casal com filhos

Imagem: Patrick Hui

 

Escolinha/creche, babá ou vovó? Prós e contras

Escolinha / creche, avós / família ou babá? Qual é a melhor escolha para o cuidado dos filhos quando os pais trabalham fora? Bem, com a experiência de quem viveu as três opções, posso dizer que não há “a” escolha certa. Cada alternativa tem seus prós e contras e cada família deve avaliar sua situação para decidir qual a sua melhor alternativa. Mas aqui vão algumas reflexões para ajudar nessa decisão:

Escolinha/creche, babá ou vovó? Prós e contras

Escolinha / creche

Prós:

– Em geral, é um ambiente bastante confiável.  A presença de mais de um profissional garante que haja uma “auto supervisão” (dificilmente alguém vai maltratar seu filho sem que haja outro profissional por perto).

– Os profissionais têm formação para exercer a profissão (muitas vezes são pedagogos), o que garante que seu filho receberá estímulo adequado para cada fase.

– Você não precisa se preocupar com faltas. Professora faltou? O problema é da escola, não seu.

– A criança terá que aprender a se socializar, a dividir e sempre terá amigos da mesma idade para brincar.

– Sem Simples Doméstico e outras preocupações de quem contrata um profissional por conta própria.

Contras

– Prepare-se: seu filho ficará doente – provavelmente, você também!

– Quando a criança está doente, você terá que se virar com ela em casa.

– A atenção não é individual. Em algumas escolas com número reduzido de crianças, pode-se até chegar mais perto disso, mas a verdade é que escola  = grupo. Atividades, alimentação e horários seguem de acordo com a programação do grupo, não a sua.

– Para quem passa muitas horas no combo deslocamento + horas de trabalho, a escolinha pode ser muito sofrida, já que a criança passará muito tempo por lá.

Babá

Prós

– Atenção individual. Você define horários, dieta, atividades, etc.

– Seu filho fica em casa, no cantinho dele, com conforto.

– Em casa, seu filho ficará menos doente do que em uma escolinha.

Contras

– É a opção mais cara. Somem-se aí os complicomêtros de contratação do nosso Brasil.

– Você precisa simpatizar e desenvolver um relacionamento de confiança com a babá. Mesmo assim, é sempre importante observar como é a reação da criança com relação a profissional – especialmente no caso dos pequenininhos que ainda não falam.

– Você terá que lidar com ausências, falta por doença, férias e licença maternidade.

– Babás tendem a evitar ao máximo que a criança chore – especialmente se os vizinhos possam ouvir. Na prática, isso muitas vezes significa ceder a horas e mais horas de televisão, dar guloseimas e outras coisas que provavelmente você preferiria evitar.

Avós / família

Prós

– Seu filho estará cercado por pessoas que o amam e em um ambiente familiar – e os pais podem sair para trabalhar tranquilos.

– É a opção mais barata.

– Seus valores familiares estarão presentes no dia-a-dia da criança.

Contras

– Prepare-se para um festival de opiniões sobre a educação do seu filho!

– Dependendo do relacionamento com o seu familiar, pode ser muito difícil dar diretrizes e ditar regras sobre como você quer que sua criança seja cuidada.

– Avós tendem a ter regras flexíveis com relação a comportamento, alimentação e etc. É a velha máxima de “na casa da vovó e do vovô pode!”

– Avós talvez não tenham muita energia para acompanhar o ritmo da criança.

Coloque esses prós e contras na sua balança e tome sua decisão. Meu melhor conselho: faça sua escolha, tente minimizar os pontos negativos, mas sem se preocupar excessivamente com eles. Afinal, não há solução ideal. Siga sem coração e acredite que você faz o melhor possível para sua criança!

MAIS: Já pensou em estudar durante sua licença maternidade?

Moda Mãe e Filha (o)

Ultimamente tenho visto muitas vitrines com looks mãe e filha. Eu acho uma graça, mas também meio arriscado. Ás vezes a criança fica com cara de quem está fantasiada de adulto, outras vezes, é o adulto que fica parecendo fantasiado de criança – é ou não é? Por isso, acho que esse estilo funciona mesmo quando não é muito literal, ou seja, as peças não precisam ser exatamente iguais, somente no mesmo estilo. Ou ainda, não combine tudo, só uma peça. E essa combinação não tão combinadinha também funciona super bem para mães e filhos e pais e filhas.

Alguns looks de celebridades para se inspirar – todas do nosso board de Mães e Filhos lá do Pinterest (é só clicar para ver as imagens em tamanho grande).

E algumas boas opções de compras para quem quiser sair por aí cheia de estilo com sua criança:

Mãe e filha: camisa jeans

Camisa jeans infantil Levis e camisa jeans Puramania adulto, ambas na americanas.com

Pai e filha: polo

Vestido infantil e polo masculina, Tommy Hilfiger no Submarino

Mãe e filho: vestido e jardineira

Jardineira bebê e vestido Isabela Capeto, C&A

Pai e filho: tênis

Tênis infantil e adulto Nike, Centauro


Se alguma imagem utilizada neste blog for de sua autoria, por favor entre em contato e envie seus dados que incluímos os créditos. Nós respeitamos as regras de direitos autorais.

If You see a picture with no name here and You are the author, please contact us and send the info for proper credits. We respect the copyrights.

Casal separado: como manter uma relação saudável com o (a) ex quando há filhos?

A separação de um casal é um momento muito difícil para o mesmo assim como para os filhos. Sentimentos como fracasso, rejeição, abandono, entre outros são frequentemente experimentados por todos.

Atualmente ainda é comum ouvirmos comentários negativos a respeito de crianças de pais separados. Entretanto os frutos de casais que rompem um relacionamento não são sinônimos de pessoas problemáticas e infelizes. Crescer em um ambiente hostil pode ser mais traumático do que o desmembramento familiar. O que irá acarretar ou não conflitos para a prole será a forma de se administrar tal cisão.

Família, filhos, separação, maternidade hoje

A separação é um momento de luto e a elaboração desta perda precisará ser processada por todos os envolvidos. A maneira como cada um irá lidar com isto será sempre muito particular e dentro de um tempo próprio.

Existem ex maridos, ex esposas, porém não existem ex filhos. O par que se separa precisa ter foco na formação dos frutos oriundos da relação. Analisar quem tem melhores condições de ficar com os rebentos, estabelecer como será feita a organização financeira, são pontos para que este momento delicado possa ser vivido com menos prejuízo emocional para todos.

Pai e mãe são títulos adquiridos e permanentes. O afeto que será estabelecido e que criará laços dependerá do quanto de investimento emocional acontecerá neste relacionamento. Casais separados que conseguem demostrar atitudes comprometedoras com a formação de seus filhos, conseguem obter o respeito e o amor dos mesmos.