Preciso mudar de cidade. E agora?

PRECISO MUDAR DE CIDADE E AGORA 1

Muitas profissionais viajam constantemente, sua rotina não permite horários fixos de trabalho e precisam em diferentes momentos deixar seus pequenos conviverem com sua ausência por períodos curtos ou prolongados.

Algumas empresas apresentam em sua estrutura filiais em diferentes estados e fazem propostas para as profissionais que se destacam, para assumirem cargos mais estratégicos, com maiores remunerações e benefícios irrecusáveis mas com uma exigência básica: a mudança de cidade.

Mesmo entendendo que esta é uma oportunidade ímpar e sentindo-se muito motivada, quando nos tornamos mães começamos a ponderar muitas coisas não é?

A insegurança quanto ao nosso sucesso no novo desafio existe é claro, mas nosso maior receio é quanto a adaptação da nossa família e principalmente como nosso pequeno reagirá a nova fase.

Antes de qualquer decisão, entenda de maneira clara o que a empresa esperará de você e o que você pode esperar quanto a suporte para esta mudança e as oportunidades para sua carreira a curto, médio e longo prazo. Deixe claro seus pontos de vista e condições.

Avaliar se realmente esta mudança valerá a pena para você e sua família é importante, esta decisão certamente tirará algumas noites de sono!

PRECISO MUDAR DE CIDADE E AGORA 2

Alguns cuidados são importantes neste processo:

– A decisão deve ser tomada em conjunto com seu companheiro(a) e ponderados todos os pontos positivos e negativos;

– Avaliar como ficará a carreira de seu companheiro(a), afinal, independente da oportunidade excepcional para você é importante pensar na satisfação dele e no campo de trabalho e oportunidades que ele terá na nova cidade;

– Checar a estrutura do local quanto a moradia, comércio, qualidade de vida e à cima de tudo para seu pequeno.

Para os casais, a mudança deve ser apoiada por seu companheiro(a) incondicionalmente, pois isso será importante para o bem estar do casal, onde o consenso não gerará arrependimentos e nem cobranças futuras.

Lembre-se que crianças se adaptam com muito mais facilidade a mudanças e novidades do que nós adultos e que se encantam com aprendizados, novos lugares e contato com crianças que não conhecem.

Existem oportunidades que são imperdíveis, mas uma mudança realizada com planejamento e tranquilidade será essencial e a segurança na decisão mostrará ao seu pequeno que tudo está bem e que esta nova fase será o melhor para toda família.

Acredite sempre no apoio de sua família e no amor que existe entre vocês e principalmente na sua simbiose com seu pequeno! Explique tudo para ele independentemente da idade que tenha, deixando ele acompanhar todas as etapas da mudança.

Tudo resolvido e acertado, abrace com todo seu potencial este novo desafio, arrume as malas e boa viagem!

Carreira x Filho Doente – Como lidar com esta situação?

CARREIRA X FILHO DOENTE- COMO LIDAR COM ESTA SITUAÇÃO

Imprevistos acontecem é claro, principalmente quando temos pequenos em casa! Lidar com nossos filhos doentes faz parte de nossa rotina de mães.

O que se torna complicado para nós é lidar com esta situação dentro do ambiente corporativo, pois a possibilidade de ausência nos traz a insegurança de que podemos perder nosso lugar na organização ou anular uma possibilidade de promoção ou desenvolvimento.

O fato é que seremos nós que sempre deveremos traçaremos o plano para esta situação, e temos algumas alternativas:

  • Apoio de alguém de confiança- Buscar apoio com algum familiar ou contratar alguém de confiança por alguns dias para olhar nossos pequenos é uma boa solução. Com esta solução conseguimos manter nossa rotina no trabalho e monitorar por telefone ou mensagem como estão as coisas em casa. Com este planejamento ficaremos seguras de que nossos pequenos estão sendo bem cuidados, pois estão com alguém de nossa confiança e manteremos as rotinas normalmente no trabalho;

 

  • Trabalho home office- Em algumas empresas atuar alguns dias em casa já é estabelecido, mas caso não seja o caso da organização onde atua um acordo com seu gestor será necessário. A situação deve ser explicada de maneira clara, mostrando que não existe a possibilidade de outra pessoa ficar cuidando de seu pequeno. A ideia não é deixar de trabalhar por alguns dias e sim transferir suas rotinas para a sua casa, fazendo relatórios, contatando clientes e respondendo e-mails diariamente. Este planejamento mostrará ao seu gestor sua dedicação mesmo em situações difíceis para você.

 

  • Solicitar adiantamento de dias de férias- Dependendo do que seu pequeno tiver, da gravidade, a saída é entrar em um acordo com o gestor para solicitar adiantamento dos seus dias de férias. O que está ocorrendo deverá ser explicado em detalhes, para que seja justificada sua decisão por esta opção, assim, você conseguirá dar dedicação total aos cuidados com seu pequeno com tranquilidade.

CARREIRA X FILHO DOENTE- COMO LIDAR COM ESTA SITUAÇÃO 2

Independente da estratégia definida por você, o importante é ser bem transparente com seu gestor, pois mesmo deixando alguém de confiança responsável pelos cuidados com o seu filho, poderão existir alguns momento onde você precisará se deslocar para leva-lo ao médico ou ao pronto-atendimento.

Como sempre sinalizei, ser transparente com seu gestor e sempre mostrar sua dedicação e preocupação com suas rotinas na organização é uma boa opção para manter as rotinas com sua família e a sua carreira em equilíbrio perfeito!

Tudo que falei parece ser muito obvio, porém quando estamos com nossos pequenos doentes não conseguimos planejar, nossa mente se volta 100% a eles, por isso vale a pena sempre lembrar dos passos a serem adotados!

 

 

 

Atenção plena (mindfulness) para pais e filhos

mindfulness.jpeg

Mindfulness é um termo atual, da moda. Mas o conceito é antiquíssimo: atenção plena, estar 100% presente no momento. A novidade é que a ciência começa a entender o efeito da atenção plena e como ela pode melhorar sua saúde, seus relacionamentos, seu desempenho no trabalho e como mãe / pai.

Um estudo da Universidade da Califórnia (UCLA) mostra que filhos de pais e mães que praticaram mindfulness por um ano também eram impactados significativamente. As crianças se davam melhor com seus irmãos, eram menos agressivas e tinham habilidades sociais melhores.

Já ao ensinar práticas de mindfulness para as crianças as ajuda a serem mais felizes, resilientes ao stress e terem melhor capacidade de manter atenção.

Kristen Race, PhD no tema, explica em uma palestra feita para o TED Talk algumas técnicas que, apesar de simples, prometem impacto profundo na vida tanto de pais quanto dos filhos. Vale a pena testar!

  • Respire atentamente: dedique entre 5 e 20 minutos de seu dia a respirar com atenção voltada à respiração em si. Quando vier algum pensamento à mente, simplesmente tente voltar a atenção para a respiração. Use a técnica com as crianças: nos momentos de agitação, abrace a criança e respire profundamente três vezes junto com ela.
  • Ouça atentamente: o objetivo aqui é praticar a atenção e o foco no que realmente importa (ao invés de se perder no meio dos milhares de estímulos que recebemos o tempo todo). Em um passeio com seus filhos, fiquem em silêncio por um minuto prestando atenção aos sons mais distantes, depois pergunte às crianças o que elas ouviram. Essa prática estimula que a atenção se volte ao momento presente.
  • Seja grato: para sobreviver aos perigos da natureza, nosso cérebro é de 3 a 5 vezes mais atento a informações negativas que às positivas. Estar atento ao lado bom da vida é um exercício que deve ser feito de forma consciente, até que se torne natural. Ser grato é uma excelente forma de exercitar a positividade. Pessoas gratas são mais saudáveis, motivadas e felizes. Crianças e adolescentes gratos têm melhor desempenho escolar, melhor integração social e são menos propensos à depressão. Kristen sugere que ao encontrar seus filhos após a escola, ao invés de perguntar “como foi seu dia?”, pergunte “quem foi um bom amigo para você hoje?” ou qualquer outra pergunta que incentive a criança a pensar em coisas ou pessoas que a fazem se sentir bem.

Respire, ouça, seja grato: não há contra-indicações!

mindfulness-para-pais-e-filhos

Perdi meu plano de saúde. E agora?

O post de hoje é para falar de um assunto delicado. Desde 2015, muita gente que perdeu  o emprego formal, aquele de carteira assinada, perdeu também o plano de saúde da família inteira. Aí, o que se vê é a rede pública, que já não ia muito bem das pernas, ainda mais lotada.

Uma das premissas da medicina em qualquer lugar do mundo é a prevenção. Não é a toa que muitos planos de saúde nos Estados Unidos dão descontos aos “clientes” que fazem exercícios físicos regularmente e que estão sempre em dia com exames clínicos periódicos. Imagino que logo, logo essa moda também possa pegar por aqui. Mas e as crianças? Como podemos cuidar para que elas adoeçam pouco! Obviamente, de vez em quando um resfriado ou uma febre vai aparecer, faz parte do desenvolvimento infantil, mas de que maneira podemos contribuir para que nossos filhos sejam saudáveis?

  • Cuidando muito da alimentação, pode parecer bobeira, mas uma alimentação equilibrada é a melhor prevenção para qualquer doença em qualquer idade. Lembra a regrinha do prato colorido, com pelo menos 5 cores. É o arroz e feijão, combinado de uma proteína, legumes e verduras. Nem preciso dizer do vilão que o açúcar é na dieta infantil, né? Desconfie SEMPRE e seja consciente sobre tudo que venha dentro de pacotes coloridos.

fruits-market-colors

  • Cuidando do sono. A criança precisa dormir bem para se manter saudável. Aqui no blog já postamos sobre a quantidade de horas de sono, de acordo com cada idade.
  • Mantendo as extremidades do corpo sempre aquecidas. São detalhes que parecem coisa de vó, mas que podem fazer a diferença. É um pezinho descalço no piso frio, a meia úmida de suor dentro do tênis, a roupa íntima úmida no processo do desfralde.

Não sou médica, longe disso, mas em 2016 conheci e estudei um pouco da Antroposofia, e suas ramificações na Medicina Antroposófica e a pedagogia Waldorf. Independentemente de crenças e valores, sem radicalismos, vi muita lucidez na Antroposofia e acho que informação boa tem que ser compartilhada.

Se nenhum daqueles 3 itens ali em cima foram suficientes, o posto de saúde ainda não resolveu e você precisa de atenção médica ou exames, as clínicas médicas com preços populares estão se disseminando país afora. Vale lembrar que muitas dessas clínicas não atendem emergências. Algumas para sua lista:

Associação Médica do Paraná – Sinam

Acesso Saúde

Clip

Clifame

Dr. Consulta  

Dr. Agora

Minuto Med   

*Clínicas populares encontradas em São Paulo e Curitiba. O site da ANS também é um lugar para encontrar seus direitos e deveres quando o assunto é plano de saúde.

 

Educando crianças felizes

A photo by Ben White. unsplash.com/photos/4K2lIP0zc_k

Adorei a entrevista publicada pela revista Veja com a psicóloga e escritora Jessica Joelle Alexander. Americana, Jessica é professora na Europa e casada com um dinamarquês. Ao ter seu primeiro filho, ela passou a aprender sobre o jeito de educar dos dinamarqueses, povo que sempre está no topo das listas dos mais felizes do mundo.

Agendas lotadas de cursos e atividades extra-curriculares não têm vez por lá, já que um dos pilares do jeito de educar dinamarquês é a brincadeira. Criança tem que ter tempo livre para se divertir. Segundo Jessica “a brincadeira desenvolve empatia, estratégias de negociação e até a habilidade para lidar com o stress, quando situações relativamente perigosas se apresentam. Então, ao brincar, eles desenvolvem a resiliência, que é um dos componentes importantíssimos para a felicidade”.

Outro ponto super interessante é o tempo em família. Quando estão juntos, há uma regra implícita, respeitada por adultos e crianças, que proíbe celulares & cia, reclamações, fofocas e qualquer outro assunto polêmico, valorizando o tal conceito de tempo de qualidade, tão falado nesses dias de hoje em que o tempo virou bem preciosíssimo.

Jessica também conta de forma muito honesta que não tinha dom natural para ser mãe, mas que aprendeu com os dinamarqueses que a vulnerabilidade é o que nos conecta uns aos outros. Julgar menos e apoiar mais (já falamos disso por aqui) e incentivar a criação de grupos de mães é uma ótima forma de se socializar e superar os desafios que vêm junto com os filhos.

A entrevista completa com Jessica Joelle Alexander está nesse link. E para quem se animar, o livro Crianças Dinamarquesas pode ser comprado aqui.