O vizinho é um pedófilo

Calma. Por sorte o meu não é, mas se fosse, aqui nos Estados Unidos eu tenho como saber. Antes de escrever sobre este assunto “embrulha estômago” tive uma discussão muito saudável com a idealizadora do MH sobre um caso que soube: uma mãe doutora, graduada, estudada que passou por isso e demorou a perceber, entender e aceitar. Não vou contar nenhuma história cabeluda dessas aqui, até porque o noticiário já traz um montão delas, mas quero ALERTAR. Quero que mães se empoderem de CONHECIMENTO para tentar DESCOBRIR se algo errado está acontecendo com suas crianças, alunos, parentes na própria família, escola ou em qualquer lugar do mundo.

Existem sites nos EUA que mostram estatísticas de crimes na região. Um deles é o Family Watch Dog. É só colocar um número de CEP e, gratuitamente, consegue visualizar se naquela região existem pessoas já condenadas por abuso sexual, pedofilia ou outros crimes. Só que o mais extraordinário, intrigante (nem sei como adjetivar isso) é o fato desse site mostrar dados bem completos da ficha criminal como foto, idade e pasmem! O endereço completo. Essa é uma informação extremamente valiosa quando as pessoas vão comprar, alugar casas ou colocar as crianças na escola aqui nos Estados Unidos.

O mapa mostra aonde essas pessoas estão e cada ponto colorido revela o tipo de crime: abuso, estupro etc.

Vale frisar que na maioria dos casos de abuso sexual, a criança conhece o abusador. Frequentemente é alguém no qual ela confia e ama, como um pai,padrasto,madrasta, vizinho ou parente. 

Pedofilia é uma doença e deve ser tratada! Torna-se crime quando o indivíduo utiliza um menor para satisfazer-se. Como pais podemos tentar prevenir todo e qualquer tipo de violência, educando nossas crianças:

  • Oriente seu filho a dizer NÃO se alguém tentar tocar no corpo dele e/ou fazer algo engraçado, peça para ele contar, imediatamente,a você o que ocorreu.
  • Ensine que respeito não significa obedecer cegamente a algum adulto ou autoridade.
  • Saiba exatamente quem são as pessoas que frequentam sua casa e estão ao redor, especialmente cuidadores, como babás e vizinhos.
  • Tenha um canal de comunicação, sem pré-julgamentos, frequente e aberto com seus filhos. O diálogo sincero e informativo sempre é uma ótima solução.

 

Se você suspeitar de algo:  

  1. Fique calmo. Se você demonstrar raiva ou nervosismo a criança pode achar que você está bravo com ela. É uma experiência extremamente difícil, mas não entre em pânico, tudo que a criança precisa é de seu carinho e suporte.
  2. Acredite, seriamente, no que a criança diz.
  3. Escute e responda honestamente todas as perquntas e questões da criança.
  4. Seja positivo. Dê muito amor, conforto, carinho e reafirme que ela não tem culpa do que está acontecendo e que sente muito orgulho por ela ter lhe contado a verdade.
  5. Respeite a privacidade da criança. Não a pressione para falar sobre o assunto, ela falará sobre no seu próprio tempo. Não discuta o tema em frente de pessoas que não precisam saber sobre isso.
  6. Denuncie o quanto antes. Conselho tutelar e demais autoridades podem ajudar a manter a criança em segurança, oferecendo toda a assistência necessária.
  7. Leve a criança para ser examinada por um médico. Um exame clínico é uma prova importante para um futuro processo.
  8. Busque ajuda: do pediatra, da polícia, conselho tutelar, professor.
  9. Não previna a criança falando diretamente sobre abuso.
  10. Não confronte o acusador. Mantenha-se distante da pessoa suspeita e aguarde a sentença jurídica para o caso.

Para denúncias e demais informações há o Disque 100, a delegacia ou o Conselho Tutelar.

Mais informações em: http://www.childhood.org.br/entenda-a-questao/perguntas-mais-frequentes#2

 

Fontes: Healthy Roads e Stop It Now

Proteja as crianças contra a dengue

O avanço da dengue nos últimos meses preocupa a todos. Sim, você já sabe tudo sobre evitar o acúmulo de água limpa em pratos de plantas, pneus, calhas e tudo mais sobre o que fazer para impedir a proliferação das larvas. Mas a proteção das crianças, especialmente dos menores, ainda gera bastante dúvida. Quais as melhores maneiras de mantê-los longe da doença? O que usar e o que evitar?

Proteja as crianças contra a dengue

Inseticidas químicos, sejam eles aerossóis ou de tomada, devem ser usados com cautela. Esses produtos são eficazes, mas também são tóxicos. Não use nos quartos de crianças menores de 3 anos.

A utilização de repelentes aplicados na pele depende da idade e da composição química do produto. A tabela abaixo resume o que pode ou não ser usado em cada idade:

Tabela Repelentes Infantis

Cuidado para não aplicar o produto em excesso ou em áreas de dobras, como a região posterior do joelho, onde o produto pode se acumular e ser levado à boca.

Evite o uso de roupas coloridas e perfumes florais pois esses atraem o inseto. Vista as crianças com roupas claras e que cubram o corpo o máximo possível. Peças brancas de algodão levinho protegerão os pequenos sem fazê-los morrer de calor! Manter as crianças em locais com temperatura mais amena ou com ar condicionado também é recomendado, já que os mosquitos não sobrevivem em temperaturas baixas.

Use mosquiteiro no berço e no carrinho durante os passeios – mas observe se não há nenhum mosquito por perto antes de fechar o mosquiteiro com o bebê dentro!

Fontes: G1, BabyCenter e Uol Mulher

Navegando com segurança no YouTube

Talvez seja influência dos pais nerds ou uma característica inerente dessa geração, o fato é que o gosto pelos gadgets vem de berço aqui em casa. Meu filho Rafael era capaz de ligar, destravar e selecionar seus aplicativos no tablet bem antes de começar a andar ou pronunciar suas primeiras palavras. E hoje, com 2 anos e meio, tem a maior intimidade com o “brinquedinho” e o utiliza sem precisar de suporte dos adultos.

E aí que mora o perigo…

Triple Play

Dias atrás vimos que ele assistia um vídeo não muito adequado para crianças no YouTube. E só para reforçar, ele não é alfabetizado, portanto é incapaz de digitar uma palavra-chave no campo de busca e chegar ao tal vídeo. Em outras palavras, o vídeo foi uma sugestão do YouTube a partir de uma navegação que começou com um desenho animado. Assustador, não?

Nossa primeira reação foi apagar o ícone do YouTube para impedi-lo de assistir os vídeos. Mas pesquisando um pouco, descobri que há sim uma forma de evitar que as crianças tenham acesso a conteúdo impróprio. Faça seu login para se identificar no site do YouTube. Na parte inferior da página, você encontrará a opção “Segurança”, que por padrão estará desativada. Selecione a opção para ativar, como mostra a figura abaixo.

Modo de segurança youtube gif

O próprio YouTube ressalta que o filtro não é 100% preciso, mas já evita que grande parte das porcarias da Internet estejam acessíveis para as crianças. Outra boa notícia: essa ação no YouTube também acionará automaticamente o modo de busca segura no Google.