Brinquedos e estereótipos

Já falamos por aqui sobre a polêmica em torno da definição de brinquedos de meninos e brinquedos de meninas. Recentemente, a BBC fez uma reportagem/experimento muito interessante: dois bebês, um menino e uma menina, tiveram suas roupas trocadas entre si, ou seja, o bebê ficou vestido como menina e a bebê usava roupas de menino.

Um grupo de adultos voluntários passava alguns minutos brincando com cada um dos bebês, sem saber da troca. Em todos os casos, eles ofereciam apenas bonecas e pelúcias para o bebê vestido de menina. Já para a bebê vestida como menino, foram oferecidos brinquedos de estímulo motor. O interessante é que o menino aceitou bem as bonecas e pelúcias e a menina também gostou dos carrinhos e brinquedos de montar oferecidos a ela.

Ou seja, nós adultos induzimos as crianças a brincar com determinado tipo de brinquedo com base no gênero, tirando das crianças a oportunidade de desenvolver determinadas habilidades durante a brincadeira.

Naturalmente, chega o momento em que as crianças começam a expressar suas preferências, mas não é preciso apressar nada, porque isso pode prejudicar o desenvolvimento de habilidades importantes, como, por exemplo, o desenvolvimento motor e inteligência espacial das meninas. Por isso, vale prestar atenção nesse ponto, para que nossas crianças possam brincar livremente e se desenvolver ao máximo!

Para assistir à reportagem, clique na imagem abaixo:

BBC- brinquedos e esteriotipos

 

 

Brincadeira de Páscoa: Máscara de Coelhinho

Dica rápida de brincadeira para fazer com as crianças nessa Páscoa (e que até o mais inábil para trabalhos manuais dá conta de fazer): máscara de coelhinho.

Usamos para a nossa um palito de sorvete, uma bola de algodão, três tiras finas de papel grosso e cola. Para fazer, basta colar as tiras de papel em formato de x na ponta do palito para fazer o bigode e finalizar com a bola de algodão para fazer o nariz.

MAIS: Menos Brinquedos, Mais Brincadeiras

 

A gente também já compartilhou por aqui uma ideia para fazer as clássicas patinhas de coelho. Diversão garantida!

E me dá um desconto pelas fotos péssimas! Controlar duas crianças pequenas, cada uma com um tubo de cola na mão e ainda tirar fotos boas é um talento que eu (ainda) não desenvolvi!!! 🙂

Terrário de suculentas passo a passo

Sugestão para uma tarde de diversão com as crianças: fazer um terrário de suculentas. Sim, faz sujeira (como comprovam as fotos abaixo), mas a brincadeira é uma delícia e o resultado é lindo!

E como não amar os terrários de suculentas? Além da montagem ser uma brincadeira super divertida, a manutenção é simples – só precisa de um pouquinho de água uma vez por semana. E como não tem pratinhos, não vira maternidade de mosquitos do mal. Não dá para querer vasinho melhor!

Para fazer seu terrário (ou sua bagunça), você vai precisar de:

  • 1 vaso de vidro ou acrílico no formato e tamanho de sua preferência
  • Álcool
  • Pedaços de carvão
  • Pedriscos
  • Terra vegetal
  • Areia
  • Suculentas
  • Brinquedos em miniatura (opcional)

Comece limpando seu vaso com álcool e deixe secar. Com o vaso já limpo, faça uma camada com pedriscos.

Terrario-base de pedras

Em seguida, faça uma pequena camada com os pedaços de carvão.

Terrario-carvão

Complete o vaso com uma mistura de 1 parte de areia para 2 partes de terra vegetal e suas suculentas.

Finalize com os pedriscos.

Caso queira dar um toque lúdico para seu vaso, você pode colocar um brinquedo. Dinossauros ficam ótimos! Eu fiz uma brincadeira e coloquei um boneco de neve Olaf, que aqui está realizando seu sonho de passar as férias de verão em um lugar bem quentinho 🙂

Processed with Rookie Cam

Como falei antes, as suculentas não exigem muitos cuidados. Observe sua plantinha: se a água for pouca, as folhas das suculentas ficam murchas, se a água for muita, elas tendem a cair. Se observar alguma dessas alterações na folhagem, vá ajustando a quantidade de água. Vale também colocar uma colher de chá de adubo NPK 10-10-10 uma vez por mês para manter seu vaso sempre lindo.

Menos brinquedos, mais brincadeiras!

Menos brinquedos mais brincadeiras

Um incontável número de brinquedos ganhos, esse é o saldo do último Natal aqui em casa. Nós sabemos que todos esses presentes são um sinal de amor e carinho por parte de nossa família e amigos. Por outro lado, não dá para não se preocupar com a quantidade enorme de plástico, baterias e etc. usadas em tantos brinquedos.

Muita gente fala sobre o quanto as crianças de hoje em dia são preocupadas com as questões ecológicas. Eu mesma ouço bronca do meu filho de 3 anos quando ele acha que estou gastando água demais para lavar as mãos. Mas será mesmo que as crianças estão assim tão conscientes? Fechar a torneira ao escovar os dentes é uma coisa. Mas experimente dizer que não é sustentável ter 30 Barbies ou mais um carrinho de controle remoto e depois me conta se a consciência ecológica continua lá…

MAIS: 8 brincadeiras super divertidas para o fim de semana com chuva

E assim as coleções só aumentam, até porque há muitos brinquedos baratos. Vimos carrinhos de controle remoto, sonho de consumo dos meninos da minha geração, sendo vendidos a R$ 35. Ao mesmo tempo em que os brinquedos se tornam cada vez mais acessíveis, a qualidade também piora muito.  Aí se compra demais e essa quantidade enorme de brinquedos muitas vezes fica jogada em algum baú sem uso ou quebra rapidamente por ser de baixa qualidade, gerando mais e mais lixo.

A gente já falou por aqui sobre consumismo infantil. É fundamental, por questões educativas, econômicas e de meio ambiente, que as crianças compreendam os impactos do consumo desenfreado. E nós, adultos, temos a grande responsabilidade de ensinar e dar exemplo.

Quer dar um presente para uma criança querida? Pense em trocar coisas por experiências, por exemplo, dando de presente seu tempo para uma tarde de brincadeiras, um passeio no parque, preparar um bolo juntos, criar um brinquedo com caixa de papelão ou reciclando outras coisas que a gente tem em casa. E quando for realmente hora de comprar um brinquedo novo, materiais renováveis são sempre uma ótima pedida: quebra-cabeças de papelão, carrinhos de madeira e bonecas de pano são muito mais sustentáveis e educativos do que um brinquedo de plástico e com bateria que praticamente brinca sozinho.

MAIS: Brinquedo feito em casa

O melhor presente que você pode dar para uma criança é um futuro melhor. Pense nisso antes de comprar aquele brinquedinho chinês! Nossas crianças e nosso planeta agradecem!

Menos brinquedos mais brincadeiras 2

Imagem: Martin Thomas

 

 

 

Brincadeira é coisa séria!

Inicio este pequeno texto  tomando emprestado algumas frases da música Aquarela de Toquinho:

Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo

E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo

Corro  o lápis em torno da mão e me dou uma luva

E se faço chover, com dois riscos tenho um grande guarda-chuva…

Esta música além de possuir uma deliciosa melodia retrata muito bem a questão lúdica presente na nossa imaginação.

Brincar diverte e é uma atividade essencial para o desenvolvimento  emocional de todos nós seres humanos. O desenvolvimento subjetivo na infância fica muito dividido entre a realidade e a ficção. Fantasiar é uma saída para se conseguir uma solução para uma questão. Tomando um pedaço do texto acima: se faço chover, busco um guarda-chuva. Esta é uma resolução pensando em não se  molhar, por exemplo.

Brincar é coisa séria

Não raro no reino dos pequenos frequentemente nos deparamos com os mesmos transformando cabos de vassouras em cavalinhos, pedaços de madeira envolvidos em panos que viram bonecos e tantas outras coisas sendo possíveis de acontecerem no mundo do faz de contas.

Alguns valores que podemos obter através da brincadeira:

  • É prazeroso e portanto nos leva a gostar de viver
  • Estimula a criatividade  desenvolvendo habilidades de  saídas para as mais diversas situações
  • Nos insere em uma cultura através das vivências de  situações do dia a dia  possibilitando responder aos apelos desta.

Criança e brincadeira deveriam andar sempre de mãos dadas.

À todos os pais que sentem ou já sentiram o gostinho de felicidade ao relembrarem seus tempos  de crianças através de um post no Facebook ou até mesmo por uma lembrança espontânea, que tal organizarem a agenda de seus filhos de tal maneira que consigam incluir tempo para que os mesmos brinquem livremente?