Amamentação – Precisamos falar sobre isso

Há tempos queria postar sobre o tema e um convite para uma palestra da Medela foi meu motivador dessa vez. Digo isso porque um produto dessa empresa, por alguns meses, tocou mais no meu peito que o meu marido! A amamentação foi uma OBRIGAÇÃO e uma SUPERAÇÃO. Ela foi a minha primeira prova real de que uma MÃE faz tudo o que ela pode, pensando no melhor pelo filho, SEMPRE. Gabriel teve icterícia, por isso ficamos dois dias a mais no hospital para o banho de luz. Hoje, isso pode não ser nada, mas num pós-parto com hormônios desregulados é um efeito psicológico devastador ver um filho que acabou de nascer com tampão nos olhos e peladinho em uma incubadora iluminada. Nem consigo imaginar a dor de mães de bebês em UTI.  Soma-se a isso que marido e eu, estávamos sozinhos, sem parentes! A vovó conseguiu chegar dois dias depois do nascimento. O lado bom, afinal sou Polliana, foi que eu chamei muitas vezes a enfermeira de amamentação nos quatro dias de internamento!

Nos hospitais americanos, geralmente, as mães têm uma equipe de enfermeiras e as crianças outra. Hoje, acho isso muito lógico e bem eficiente, pois num pós-parto MÃE e FILHO precisam de cuidados e atenção distintos. A saga da amamentação aconteceu exatamente no dia 15 de maio de 2013 e durou uns bons 9 meses. No hospital, meu filho tomou fórmula, disseram-me necessário até que eu me acertasse com a nova função dos meus peitos. A tal da pega até hoje é uma incógnita, eu tinha leite, mas bebê e mamilos não conseguiam se acertar. Para ajudar SQN, cada um dá um palpite diferente nesse tema e isso nos deixa ainda mais confusas e perdidas. Depois de todas as tentativas, ainda no quarto da maternidade fui apresentada a uma consultora de lactação e a uma máquina extratora de leite da Medela (na época disponível só para hospitais). Esse aparelho também tem como objetivo não deixar que a produção de leite caia quando a mãe não consegue amamentar de forma natural. Depois de uns 15 dias de maternidade posso dizer que ela foi minha melhor amiga. Tive mastite, pensei que ia morrer (se você já passou por isso sabe do que estou falando). Os bicos sangravam tanto que não tinha condição de o bebê tocar. Por causa dessa máquina meu filho teve leite da fonte, enquanto a dor não me deixava fazer isso de forma natural.

No meu caso, foram praticamente 4 meses para que a amamentação fosse algo realmente natural. A máquina foi ótima, com ela consegui congelar leite para uns 3 meses. O ponto negativo é que são muitas peças e ter que lavar e esterelizar todas é um trabalho a mais nem tão legal assim na nova rotina materna. O papai ficava com essa tarefa!

Tentei me preparar muito para o momento do parto natural e todos os demais cuidados que o recém-nascido precisava, mas justamente no dia que eu ia fazer o curso de amamentação o Gabriel nasceu. Aprendi na raça, no choro, com mastite e com o apoio de enfermeiras lactantes muito bacanas, além de um grupo de amamentação. Foram quase três meses, TRÊS MESES, para eu me acertar com a amamentação. No grupo de lactantes  vi que eu não era a única naquele perrengue! Lá eles aceitavam mães e bebês com até 6 semanas de vida, eu vi bebê trocando a mamadeira pelo bico do peito da mãe, na relactação e mulher com trigêmeos fazendo o que podia para oferecer o melhor alimento do mundo aos filhos. Todas sabíamos que o melhor para o nosso filho não estava numa lata vendida em farmácia, por mais que ela seja necessária em muitos casos.

Nesse vídeo tem a máquina da Medela que auxiliou no processo de amamentação

 

Aquela visão romantizada de que é lindo e uma delícia não existiu para mim, por isso me cerquei de pessoas que entendiam sobre o assunto. Fui aos grupos de amamentação, procurei ajuda e tive uma mãe e um marido muito presentes, apoiando, incentivando e enxugando as lágrimas. Para a amamentação dar certo três coisas são muito importantes: um psicológico fortalecido, uma rede de apoio com vovôs, tias e/ou amigas e litros de água, que auxiliam e muito na produção.

O plano de saúde reembolsou parte do que gastamos com o aluguel da máquina da Medela, porque sabem que o mamá da mamãe é vacina, tem poder imunizador e promove uma reação em cadeia benéfica na saúde de mães e filhos.

 

Perdi meu plano de saúde. E agora?

O post de hoje é para falar de um assunto delicado. Desde 2015, muita gente que perdeu  o emprego formal, aquele de carteira assinada, perdeu também o plano de saúde da família inteira. Aí, o que se vê é a rede pública, que já não ia muito bem das pernas, ainda mais lotada.

Uma das premissas da medicina em qualquer lugar do mundo é a prevenção. Não é a toa que muitos planos de saúde nos Estados Unidos dão descontos aos “clientes” que fazem exercícios físicos regularmente e que estão sempre em dia com exames clínicos periódicos. Imagino que logo, logo essa moda também possa pegar por aqui. Mas e as crianças? Como podemos cuidar para que elas adoeçam pouco! Obviamente, de vez em quando um resfriado ou uma febre vai aparecer, faz parte do desenvolvimento infantil, mas de que maneira podemos contribuir para que nossos filhos sejam saudáveis?

  • Cuidando muito da alimentação, pode parecer bobeira, mas uma alimentação equilibrada é a melhor prevenção para qualquer doença em qualquer idade. Lembra a regrinha do prato colorido, com pelo menos 5 cores. É o arroz e feijão, combinado de uma proteína, legumes e verduras. Nem preciso dizer do vilão que o açúcar é na dieta infantil, né? Desconfie SEMPRE e seja consciente sobre tudo que venha dentro de pacotes coloridos.

fruits-market-colors

  • Cuidando do sono. A criança precisa dormir bem para se manter saudável. Aqui no blog já postamos sobre a quantidade de horas de sono, de acordo com cada idade.
  • Mantendo as extremidades do corpo sempre aquecidas. São detalhes que parecem coisa de vó, mas que podem fazer a diferença. É um pezinho descalço no piso frio, a meia úmida de suor dentro do tênis, a roupa íntima úmida no processo do desfralde.

Não sou médica, longe disso, mas em 2016 conheci e estudei um pouco da Antroposofia, e suas ramificações na Medicina Antroposófica e a pedagogia Waldorf. Independentemente de crenças e valores, sem radicalismos, vi muita lucidez na Antroposofia e acho que informação boa tem que ser compartilhada.

Se nenhum daqueles 3 itens ali em cima foram suficientes, o posto de saúde ainda não resolveu e você precisa de atenção médica ou exames, as clínicas médicas com preços populares estão se disseminando país afora. Vale lembrar que muitas dessas clínicas não atendem emergências. Algumas para sua lista:

Associação Médica do Paraná – Sinam

Acesso Saúde

Clip

Clifame

Dr. Consulta  

Dr. Agora

Minuto Med   

*Clínicas populares encontradas em São Paulo e Curitiba. O site da ANS também é um lugar para encontrar seus direitos e deveres quando o assunto é plano de saúde.