Mãe e bebê no Cinema

Está de licença maternidade ou já cansou de ficar sozinha o dia inteiro com o bebê? O Cine Materna é um motivo e tanto para sair de casa com as crianças até nos dias frios e depressivos.

As sessões do CineMaterna proporcionam para mamães e papais um ambiente totalmente preparado para receber bebês de até 18 meses. O volume é reduzido – para os pequenos não se assustarem, os trocadores de fraldas ficam no cinema, o ar condicionado é suave, o ambiente é levemente iluminado, a sala recebe ainda um tapete especial para relaxar na primeira fila, além do café e bate papo que acontece após o filme – para troca de experiências entre os presentes. Legal, né?

Para saber se a sua cidade tem Cinema apoiador do projeto e as datas das próximas sessões basta fazer a busca pelo site: http://www.cinematerna.org.br

Em Curitiba a programação é por votação. Dá uma olhada aqui:

Screen Shot 2018-06-05 at 3.08.40 PM

Procura-se: Mãe Advogada

Se você é advogada e está repensando a carreira após a maternidade, este post é para você.

pexels-photo-534204

O escritório de advocacia SV Law, com atividades no Rio e SP,  está selecionando advogadas sêniores que estejam vivendo a experiência da maternidade para fazer parte da equipe. É o Projeto Mães Advogadas que visa traçar soluções para as mães que se encontram neste momento da carreira, adotando, por exemplo, carga horária flexível. As profissionais podem atuar em atividades como treinamento interno, produção de artigos, participação em palestras, congressos, eventos internos e outros projetos específicos.

O Projeto Mães Advogadas está em busca de profissionais com filhos de até 3 anos de idade que enxerguem propósito na prática do direito e busquem conciliar a maternidade com as atividades jurídicas. Mais informações e inscrições podem ser realizadas pelo site

 

Cupons de desconto no Brasil!

O dia das mães e o natal são considerados os melhores dias de venda para o comércio. Quando trabalhava em uma grande marca de beleza o dia das mães tinha investimento exclusivo  em publicidade, embalagem e algumas promos com retorno garantido! Loja sempre cheia nessas datas. Essa semana,  fiquei surpresa e feliz de saber sobre empresas de cupom com descontos para compras on-line no Brasi! Fica muito mais fácil fazer pesquisa de preço e de cupons pela Internet. Confesso que lá era cliente assídua das lojas virtuais e se precisasse de algo da loja física sem cupom nem ia, entre elas: Bed Bath, World Market, Carters e Hobby Loby etc.

Compartilho com vocês 2 empresas de cupons para compras com desconto no dia das Mães:

  • Cuponeria: Encontra marcas como Sephora, C&A, Zattini e Imaginarium em promoção e até 20% de desconto em diversos produtos.Na rede Marisa tem R$ 50 de desconto nas compras a partir de R$ 150 e 20% nas compras acima de R$ 50.
  • Cuponomia criou uma lista exclusiva com os códigos promocionais disponíveis para a data. Tem  Casas Bahia, Ponto Frio, Natura, Saraiva, Zattini, entre outros e-commerces, oferecem cupons de 5% a 30% de desconto em itens de moda, beleza, eletrônicos, livros e produtos para a casa.

Screen Shot 2018-05-08 at 10.33.32 AM

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Imagem: Cuponomia

ELAS no espaço

Quando morava em Houston um dos pontos mais bacanas e obrigatório para levar as visitas era o Space Center. Perdi as contas de quantas vezes fomos. Essa semana fiquei sabendo do filme ESTRELAS ALÉM DO TEMPO (tem no Netflix), que conta a história de três mulheres negras que trabalharam na NASA e foram os cérebros por trás de uma das maiores operações da História: o lançamento em órbita do astronauta John Glenn.

Até 1980, as mulheres eram figuras escondidas nos bastidores das missões da Agência Espacial Americana. Hoje, as oportunidades melhoraram e temos muitas mulheres   homenageadas no Hall da Fama dos Astronautas Americanos.

As bases da Nasa tanto em Houston quanto na Flórida oferecem o programa ‘Encontro com um Astronauta’, quando os turistas podem pegar um autógrafo e matar a curiosidade sobre a vida fora da Terra. Na semana da mulher quem estiver em Cape Canaveral tem a chance de participar do ‘Almoço com umA Astronauta’ , a Dra. Anna Fisher. Ela foi uma das seis primeiras astronautas mulheres da NASA e a primeira mãe a viajar ao espaço, além de ter se mantido na equipe de comando nos primeiros anos da construção da Estação Espacial Internacional (1996 a 2002).

unnamed-3

Dra. Anna Fisher foi a primeira Astronauta “mãe” a viajar ao espaço.

Até hoje apenas nove mulheres conquistaram o espaço na história da corrida espacial. Em 2016 a NASA presenciou outro marco quando Charlie Blackwell-Thompson foi nomeada como diretora de lançamento do Programa de Exploração de Sistemas Terrestres, se tornando a primeira mulher a ocupar o cargo no Firing Room-1 do Kennedy Space Center. Dentre as inúmeras funções, cabe à Charlie liderar e gerenciar o planejamento e execução de operações de lançamento da capsula Orion, que levará os astronautas para Marte até 2030.

Se você também quiser saber mais sobre as mulheres astronautas o site Women@NASA tem diversos vídeos e história das funcionárias. É um caminho para inspirar meninas e mulheres sobre a carreira espacial, mas também para reivindicar mudanças nas políticas que impactam o mercado de trabalho.

Fonte: TM Latin America

Meu filho não fica doente

Brincadeirinha gente. Fica sim, é só para atiçar mesmo, para que vocês leiam meu post.

Há muito tempo gostaria de abordar o tema aqui no blog, pois desde que meu filho começou na pedagogia Waldorf sinto que ele fica MENOS doente. Minha percepção materna também fez uma comparação empírica com crianças de outras escolas e parece, veja bem, PARECE, que as crianças de escola Waldorf ficam menos doentes que crianças de escolas tradicionais. Fui tentar desmistificar o meu achômetro, afinal, era muita pretensão, né? Conversei um pouquinho com algumas mães e pais de diferentes escolas, perfis e pedagogias e também com a PHD em Saúde Pública pela USP e nutricionista Dra. Elaine Azevedo.

sand-summer-outside-playing

Esse é um assunto polêmico e vou compartilhar a MINHA experiência dos dois últimos anos de alimentação com base antroposófica dentro da escola Waldorf, no Brasil. Aqui em casa não seguimos muito a dieta antroposófica, tem bisnaguinha de vez em quando, suco, chocolate, açúcar e etc. mas com moderação. Antes de entrar “nessa” escola eu sabia vagamente sobre Antroposofia e NADA sobre a parte de alimentação que a filosofia prega. A grata surpresa de rumar ao desconhecido tem dessas coisas. Em todos esses anos acredito que 3 fatores colaboram bastante para toda essa saúde: a alimentação da escola, o pé no chão e a mão na árvore. Para facilitar o entendimento dos pequenos sobre o calendário, ainda no maternal, os dias da semana eram substituídos pelos dias da comida. Segunda: dia do arroz integral; Terça: cevada; Quarta: quirera; Quinta: pão integral (que as crianças amassam); Sexta: torta de aveia.  Além das frutas que todo dia os pequenos devem levar de casa para compartilhar. Resumindo: os grãos e frutas parecem ter um papel muito importante na dieta.

A minha conversa com a Dra. Elaine revelou que, além da alimentação, o estilo de vida que a escola imprime é o fator fundamental de Saúde e prevenção de doenças. Ela comenta que as famílias “Waldorf” geralmente respeitam o ritmo que o corpo de uma criança precisa, com questões como o sono em horário adequado (É cedo, viu gente, tipo 19h30 tem que estar tudo indo para cama! Eu não consigo, o meu vai 20h30); a não-utilização e o controle no uso dos eletrônicos; não usam muito medicação; há um entendimento de que a febre é, em muitos casos, um fenômeno positivo. Segundo Elaine nos processos naturais de “cura” o sistema imunológico torna-se ativo e é fortalecido. A escola também não intelectualiza precocemente os alunos (na pedagogia o processo de ler e escrever só começa no ano que o aluno faz 7).

*Uma pesquisa realizada em Estocolmo entre 2004 e 2011 teve por objetivo entender mais sobre o porque as pessoas estão ficando cada vez mais propensas a alergias de comidas do que alérgicas ou sensíveis a pollen e animais. Estudou-se, com amostras de sangue e questionários, 552 famílias que foram divididas em 3 grupos: os que seguiam totalmente os preceitos de Steiner, os moderados e os não adeptos. Estudos anteriores já haviam mostrado que com frequência famílias com estilo de vida antroposófico tinham baixa prevalência ou sensibilidade a doenças alérgicas comparado com outras crianças. Nesse estudo, as descobertas reafirmaram que crianças de famílias antroposóficas têm baixa incidência de alergias a comida até 1 ano de idade. Indicador de que a filosofia tem mesmo um efeito na sensibilidade alérgica durante o primeiro ano dos pequenos.

*Já essa outra pesquisa, também de Estocolmo, na Suécia, mostrou se crianças de famílias que seguiam a antroposofia tinham risco reduzido para 4 tipos específicos de doenças alérgicas. Eles categorizaram 157 crianças de acordo com o estilo de vida antroposófico e não antroposófico e os resultados não mostraram diferenças significativas entre os dois grupos. Porém, nas conclusões eles revelam que o “efeito colateral” no que diz respeito ao estilo de vida não pode ser descartado.

Os adeptos da filosofia, de forma integral (vida spiritual, educação, saúde, agricultura e dieta), dizem que a nutrição antroposófica proporciona um estado de bem estar geral, nessa dieta as forças dos alimentos naturais, produzidos conforme a lei da natureza, harmonizam para um ser humano sadio em todos os sentidos. Um tanto exótico mas totalmente alinhado com políticas públicas de alimentação e de segurança alimentar e nutricional que temos no Brasil e países europeus.

Também perguntei se o consumo de alimentos orgânicos fazia diferença nessa saúde toda da criançada e ela revelou que a longo prazo, muito provavelmente, mas o que realmente faz a DIFERENÇA é o estilo de vida dos pais. Ela finaliza dizendo que o TEMPO é o melhor investimento que podemos oferecer aos nossos filhos no primeiro setênio. A Dra revela que hoje em dia existe a síndrome da criança da creche, em que os pequenos ficam emocionalmente vulneráveis e ficam doentes por conta disso, no fundo estão desnutridos de “família” e não tem maturidade para lidar com as situações. Depois refleti e para quem vive tentando equilibrar a balança e levando em conta que viveremos, pelo menos, até os 85/90 anos de idade o que são 7 anos.

Obrigada a Dra. Elaine pelos esclarecimento e indicação de fontes para esse texto.

*Tradução livre e interpretação minhas dos estudos.

Dra. Elaine Azevedo é Nutricionista, com aperfeiçoamento em Medicina Antroposófica, mestre em Agroecossistemas e doutora em Sociologia Ambiental. Pós-Doutora em  Saúde Pública  e autora do livro Alimentos Orgânicos, da Editora SENAC.

Screen Shot 2018-02-21 at 6.04.35 PM

Fontes:
  • Stenius F, et al. Lifesytle factors and sensitization in children – the ALADDIN birth cohort.Allergy. 2011.
  • Hesla HM, et al Herpervirus iInfections and allergic sensitization in children of families with anthroposophic and non-anthroposophic lifestyle – the ALADDIN birth cohort. Pediatr Allergy Immunol. 2013.
  • Fagerstedt , H   et al.  Anthroposophic lifestyle is associated with a lower incidence of food allergen sensitization in early childhood. Clin Immunol. 2016 Apr;137(4):1253-1256.
  • Alfvén  T et al. Allergic  diseases and atopic sensitization in children related to farming and anthroposophic lifestyle–the PARSIFAL study.Allergy. 2006 Apr;61(4):414-21.