Tchau, Michelle

Ela é uma primeira-dama engajada e atuante. Semanas antes das Olimpíadas Michelle Obama esteve nas notícias. Como restam apenas alguns meses na Casa Branca os Obama foram à mídia para fazer o “balanço” dos quase oito anos de governo. Nas entrevistas, Michelle aproveitava para divulgar o projeto Let Girls Learn, que assegura educação para meninas em áreas de conflitos e crise. Outro bafafá deu ainda mais credibilidade a Michele: um suposto plágio de um discurso que ela dera em 2008 foi “inspiração” para a esposa do candidato a presidência, Melania Trump. Ela também incentivou uma alimentação equilibrada com frutas e verduras nas escolas e também estimulou a América do Norte a sair do sedentarismo. Já comentei aqui no blog sobre o Let’s Move.

Michelle

O jornalista Osny Tavares compartilhou na sua página de facebook e transcrevo a reflexão: “Se os Obamas tivessem um arroubo kirshnerista e resolvessem que Michelle seria a candidata, a eleição estava resolvida em 15 minutos. Primeira-dama mais popular desde Jackie Kennedy, ela representa um impulso modernizador deste “cargo”, consolidando um caminho traçado também por Hillary Clinton. As primeiras-damas deixaram de ser figuras cerimoniais e decorativas para se imporem como mulheres críticas, inteligentes, e independentes – parceiras profissionais e de relacionamento cuja sensibilidade ajuda a construir agendas públicas em importantes questões morais e sociais”.

Obamas bye

Michelle é o retrato da mulher moderna: mãe, profissional e linda seja ela branca, negra, amarela ou parda! Meu colega jornalista disse muito bem, além de esposa, ela é parceira de Barack Obama. Eles se conheceram em um escritório de advocacia, em Chicago. Obama era estagiário de Michelle. O presidente já revelou que a palavra final para que ele se candidatasse à presidência foi de Michelle, sem o apoio da esposa ele não teria seguido, pois sabia que a consequência de uma decisão como essa afetaria a família inteira. A velha história de que por trás de um grande homem existe uma grande mulher. Obviamente, essa imagem de família, esposa, mãe, mulher perfeita existe um trabalho de relações públicas muito bem feito, mas sem verdade não há credibilidade! E todas as ações dos Obama parecem ser bastante verdadeiras e inspiradoras. Tão verdadeira que nesse vídeo ela comenta que vai se sentir aliviada a não ter que seguir protocolos presidenciais em 2017. Michelle deixa um legado e tanto para o título de primeira-dama, afinal qual delas assumiria que sete anos e meio de luxo é bastante, que é capaz de fazer o próprio sanduíche de queijo; ou qual delas canta ou já cantou Stevie Wonder e Beyonce para todo mundo ver?

 

Official White House Photo by Pete Souza

Lições para ensinar para as crianças durante as Olímpiadas

Revezamento da Tocha Olimpica para os Jogos Rio 2016

Tenho várias lembranças de Olimpíadas da minha infância. Os mascotes, a beleza das cerimônias de abertura e encerramento, a torcida pelos brasileiros… E apesar de todos os problemas, aposto que vamos curtir muito as Olimpíadas no Brasil. E esse também é um ótimo momento para ensinar algumas coisas valiosas para as crianças. O mais óbvio, é claro, é o incentivo a prática de esportes. Mas há outras lições menos evidentes mas não menos importantes.

Fale sobre INSPIRAÇÃO: a Olimpíada é um momento que impressiona pela superação dos limites do corpo humano. Fale sobre a dedicação e sacrifício exigidos para se tornar um atleta olímpico.
Pergunte: Você está disposto a trabalhar duro para conseguir seus objetivos?

Fale sobre POLÊMICA: Todos os Jogos Olímpicos incluem algum tipo de controvérsia – um atleta é desqualificado, os problemas da organização, etc.
Pergunte: Se você fosse responsável por isso, como lidaria com a polêmica?

Fale sobre BASTIDORES: Jornalistas que fazem a cobertura dos Jogos Olímpicos adoram descobrir histórias inspiradoras sobre atletas que superaram obstáculos para alcançar seus objetivos. Aproveite essas histórias para falar com seus filhos sobre perseverança.
Pergunte: Qual seria sua história de bastidor?

Fale sobre TRABALHO EM EQUIPE. Assistir aos esportes de equipe pode ser uma grande oportunidade para mostrar como a contribuição de todos é a chave para o sucesso de uma equipe. Ajude as crianças a fazer a conexão entre o trabalho em equipe nos esportes e outros esforços de colaboração, como um trabalho de grupo da escola.
Pergunte: O que faz um bom companheiro de equipe?

Fale sobre COMPETIÇÃO. Vencer é ótimo e as crianças se identificam com os grandes atletas, exibindo suas medalhas com orgulho. Mas destaque os outros atletas também. Isso pode ajudar as crianças a desenvolver a empatia e reforçar a ideia de que ganhar não é tudo.
Pergunte: Qual é a diferença entre bom e mau desportivismo?

Fale sobre MUNDO: Os Jogos Olímpicos oferecem a oportunidade perfeita para aprender mais sobre outros países. Identificar as bandeiras, tradições culturais, falar sobre países e continentes. Fale também sobre as origens e os objetivos dos Jogos Olímpicos.
Pergunte: O que você aprendeu sobre outro país ou cultura que você não sabia antes?

Fale sobre PUBLICIDADE: A Olimpíada é uma enorme oportunidade de publicidade para os comerciantes. Se possível, grave os eventos e pule os anúncios publicitários. Com crianças mais velhas, fale sobre a relação entre atletas e empresas e por que eles dependem uns dos outros. Aponte eventuais ironias – como um anúncio que mostra um atleta comendo fast food.
Pergunte: Quantos anúncios você viu durante o evento, e que eles estão vendendo?

Adaptado de 7 Things Kids Will Remember Forever from Watching the Olympics With You, por Common Sense Media/Working Mother

Imagem: Marcos de Paula/ Rio 2016

Crianças que dormem cedo têm menor risco de obesidade

Toda mãe sabe que os hábitos alimentares dos primeiros anos de vida vão fazer diferença durante toda a vida. O que talvez você não soubesse é que além dos hábitos alimentares, o horário em que as crianças vão para a cama pode torná-las  menos ou mais propensas a serem obesas anos mais tarde. O risco de obesidade na adolescência para crianças que dormem antes das 20:00 é a metade do risco enfrentado pelos pré-escolares que vão para a cama após as 21:00, revela um estudo.

A pesquisa analisou os dados de cerca de 1.000 crianças nascidas em 1991, cuja hora de dormir foi registrada durante um ano, quando as crianças tinham em média 4 anos e meio de idade. Mais tarde, quando essas crianças já eram adolescentes com 15 anos, altura e peso foram novamente registrados.

Entre as crianças que dormiam por volta das 20:00, 10% se tornaram adolescentes obesos. O índice de obesos subiu para 16% entre os que dormiam entre 20:00 e 21:00 e 23% entre as crianças que dormiam após as 21:00.

Sono e obesidade

Segunda a autora do estudo, Dra. Sarah Anderson, “há uma grande quantidade de evidências ligando a má qualidade e duração do sono, particularmente o sono curto, à obesidade, e é possível que o horário do sono possa ser até mais importante do que sua duração”.

“Isso fornece mais evidências de que ter um uma rotina regular de sono e dormir cedo é importante para as crianças”, completa.

Fontes: The New York Times, The Journal of Pediatrics

Carta para um anjo

Por Rubia Tosta


Aborto

Hoje o dia amanheceu assim.. nublado, como nessa foto.

Talvez eu nunca esteja preparada para falar sobre isso, mas acho que desabafar vai me fazer bem, vai me ajudar a superar (ou não).

Hoje o dia amanheceu mais triste, mais lento, mais frio. Nosso tão sonhado filhote nos deixou…Ele viu que o mundo anda muito louco, e achou melhor não vir agora.

Mas nesse 1 mês de existência, ele me ensinou tanto.. me ensinou mais do que a vida até aqui. Eu finalmente entendi, o que é a tal conexão entre mãe e filho. É muito forte, muito intensa, muito verdadeira e muito dura também.. pq é difícil vc sentir que algo está errado e simplesmente não poder fazer nada! Pq eu senti quando ele me deixou.. o meu corpo me avisou e o meu coração também.

Acredito que tudo na vida tem um por que, e que cada um de nós tem um propósito na vida, e o seu meu filho, foi de UNIÃO. Você trouxe pra mais perto de mim pessoas muito especiais, você fortaleceu ainda mais a relação que tenho com o seu pai, você me ensinou o que é amar alguém que a gente nem conhece, tão pequeno, tão sensível.. eu nem ouvi o seu coraçãozinho bater, mas o meu acelerava toda a hora que eu pensava em você.

Você me deu um susto quando apareceu e um ainda maior quando foi embora. Eu rezei tanto, pedi tanto por você.. Prefiro acreditar que Deus ama tanto você, que resolveu te levar pra perto dele.

Quero que saiba, que você foi muito amado e muito desejado.

Você será pra sempre o nosso anjinho.

Hoje o meu coração amanheceu assim, nublado e florido. Nublado por que ele está sofrendo, e florido por que de alguma maneira ele tem esperança, por que eu não sei como, ele tem fé.

Porque os bebês finlandeses dormem em berços de papelão

Porque os bebês finlandeses dormem em caixas de papelão

Você colocaria seu recém-nascido para dormir em um berço de papelão? Pois é isso o que muitas mães da Finlândia fazem: seus bebês dormem em um saco de dormir em miniatura dentro de uma caixa.

E a surpresa: acredita-se que esse método é uma das razões pelas quais a Finlândia tem uma das mais baixas taxas de mortalidade infantil do mundo – 2,52 para cada 1.000 nascimentos, menos da metade dos Estados Unidos.

As caixas são fornecidas pelo governo, com a única condição de que a mãe se submeta a um exame pré-natal nos primeiros quatro meses de gravidez. 40.000 caixas são distribuídas todos os anos. Além do “bercinho”, ela inclui roupa de cama e mais outros 50 itens para o bebê, como roupas, meias, casaco, fraldas reutilizáveis, brinquedos e termômetro. As mães que não precisam de todos esses itens podem optar por receber 140 euros em vez disso, ou cerca de R$ 500.

Porque os bebês finlandeses dormem em caixas de papelão-enxoval

O programa começou no final de 1930, quando quase um em cada 10 bebês finlandeses morriam antes de completar um ano. As caixas eram uma forma barata de incentivar as mulheres a realizar o pré-natal. Os berços de papelão também eram uma alternativa segura para os bebês dormirem fora da cama dos pais.

Porque os bebês finlandeses dormem em caixas de papelão-1947

A tradição das caixas se mantém, mas a situação de pais e mães na Finlândia é hoje bem melhor. Há licença maternidade remunerada de 10 meses e uma garantia de que quem decidir dar um tempo no trabalho para ficar em casa com o(a) filho(a) pode voltar para o seu emprego a qualquer momento antes que a criança complete 3 anos.

Fonte: The New York Times (imagem 1 e 2), BBC (imagem 3)